sexta-feira, 24 de março de 2017

vida.com





A Internet surgiu em 1969 com objetivos militares, ela seria o modo de manter as comunicações caso ataques destruíssem os meios convencionais de telecomunicações. Entre 1970 e 1980 também passou a ser utilizada como meio de comunicação acadêmico.
Somente a partir de 1990 a internet pode estar ao alcance da população em geral, após o desenvolvimento  da World Wide Web, que possibilitou a utilização de interface gráfica e maior dinamismo aos sites.
Sem dúvidas, até agora, a Internet foi a maior criação tecnológica depois do surgimento da televisão em 1950.
Hoje em dia é impensável um mundo sem a rede... Ela invadiu a maioria dos lares, empresas, escolas, faculdades e diversos locais, possibilitando comunicação e informação em tempo real, não importando em qual parte do mundo você está localizado.


Outro divisor de águas foi o advento das redes sociais. A partir de 2006 surgiu o Orkut em seguida vieram o Facebook, Twitter, Google Plus, Instagram, WhattsApp cada qual ganhando maior numero de usuários.
Atualmente é possível quase tudo pela Internet, desde um simples pedido de alimentação até mesmo amizades, namoros consultas médicas, entre outros.
É preciso tomar muito cuidado com essas facilidades, pois nada deve substituir a vida real. Sair pra encontrar e abraçar os amigos, ainda é a melhor opção. Visitar museus, viajar, conhecer lugares novos, viver as próprias experiências, sentir cheiros e sabores de cada lugar não deve, em hipótese alguma, ser substituídas por aprendizados e experiências virtuais.
Há sim que se explorar de maneira consciente, traçar planos e roteiros... Mas entender que só há vida real do lado de fora da tela!


























Edição n.º 1002
Página 01

Estórias que o povo conta “Valei-me meu São Benedito”





Numa coisa Dr. Vilela está certíssimo... Ligeiramente impossível existir NOTÍCIAS sem o Tom.. Então essa coluna irá trazer a cada semana uma matéria selecionada por ele pra fazer parte, em algum momento, dos 19 anos deste tablóide... NOTÍCIAS de longa data...




O Zé contou pro Bispo que me contou, que há muitos  anos atrás, no ínicio do Bairro Vera Cruz, havia uma grande devoção a São Benedito. Naquele tempo não havia calçamento nas poucas ruas e paixar o pó, jogavam água no chão, no dia da procissão que homenageava o santo padroeiro: São Benedito.
As casas se enfeitavam com bandeirolas coloridas. Todos se vestiam com aquela “roupa de ver Deus”.
O alvoroço da criançada começava logo de manhã e todas as famílias aguardavam a tão esperada procissão, com a imagem de tamanho natural centenária, em barro preto. Aliás, ninguém sabia direito a procedência de tão venerada imagem.
Num determinado ano, o sacristão preparava tudo pra procissão, e num excesso de zelo, ao enfeitar o andor, derrubou a imagem, que se quebrou m mil pedaços. Sobrou apenas terra queimada no piso da sacristia. O coitado do sacristão pensou , temendo nas bases: sem imagem a procissão não sai, e se eu contar pro padre ele acaba comigo. E se o povo souber, me lincha.
No momento de desespero, o sacristão teve uma ideia. Correu à casa do vizinho e convenceu o filho do seu compadre, uma criança muito esperta e muito  parecida com a estátua quebrada, a substituir a imagem no andor.
O guri, com manto de santo foi colocado sobre o andor, e devidamente instruído para não se mexer, não piscar, não rir  e nem chorar e aguentar firme até o fim da procissão, que daria volta em alguns quarteirões.
A procissão começou, o padre puxou a reza, os fiéis cantaram: “São Benedito, a sua casa cheira, cheira, cheira cravo, cheira rosa, cheira a flor de laranjeira.”
Tudo ia às mil maravilhas, o guri aguentando firme, o povo cheio de fé. Mas quando o cortejo passou por uma rua arborizada com árvores frondosas, a cabeça do moleque bateu em uma enorme casa de marimbondos. Com as picadas dos “milhares de marimbondos cavalo”, o garoto gritou, “Valei-me, meu São Benedito” e para o sacerdote: “assim não dá!!!”
Para espanto de todos, “sacristão e São Benedito” saíram correndo, e desapareceram para sempre. Pois é, mentira tem perna curta. Acabou-se a estória, e quem quiser que conte outra...




(publicado originalmente na edição n.º 1 de 22 de março de 1996)



Edição n.º 1002


Página 02

Me adoro em TUDO, TUDO, TUDO.





"Te adoro em tudo, tudo, tudo. Quero mais que tudo, tudo, tudo, te amar sem limites, viver uma grande história!"
(Djavan – Um amor puro)


Essa semana fui convidada a ouvir essa música do Djavan com um outro sentido, fui convidada a cantá-la para mim mesma!
Vou partilhar com vocês minha reflexão, porque tem me feito muito sentido e porque eu não acredito que seja possível RECONSTRUIR AS RELAÇÕES sem a integração de cada parte em si mesma antes de compor o todo!
Sem amor por mim mesma a Vida não flui, fico travada, sem força de realização! É preciso integrar tudo, todas as minhas partes, inclusive os incômodos, inclusive os sentimentos ruins! É preciso ser inteira, estar inteira, Viver inteira! Não existe pulso de Vida sem a integração de quem você é, não existe energia que flua quando há exclusão de alguma parte de você! Eu sou, você é. E por isso existe a possibilidade do "nós somos". Se eu não for eu, eu não posso ser nós!
Inteira... Completa de mim!

E hoje fiz a experiência de ao perceber um olhar negativo sobre mim mesma, cantar: Me adoro em TUDO, TUDO, TUDO. Quero mais que tudo, tudo, tudo, me amar sem limites, viver uma grande história! 
E posso dizer que a sensação de integrar até aquilo que sinto que preciso mudar em mim, me propiciou uma leveza incomparável na alma! Essa sou eu e eu posso fazer o que eu quiser comigo mesma, inclusive mudar!



















Edição n.º 1002

Página 03


Insper e Colégio Visconde de Porto Seguro promovem curso Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos em Valinhos




Os profissionais da região de Campinas, em São Paulo, já podem se inscrever para o curso Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos, uma parceria da Educação Executiva do Insper com o Colégio Visconde de Porto Seguro. Com aulas ministradas nas instalações do colégio em Valinhos, interior de São Paulo, o curso terá início no próximo 8 de maio. Os candidatos interessados podem efetuar a inscrição por meio do site:https://www.insper.edu.br/educacao-executiva/cursos-de-curta-duracao/negociacao-estrategica-e-gestao-de-conflitos-noturno-valinhos/

O curso Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos conta com a carga horária de 30 horas, com aulas ministradas por professores do Insper às segundas e quartas-feiras, das 19h às 22h.  Qualquer profissional pode se inscrever, basta ter formação superior. Além disso, os pais de alunos, ex-alunos e funcionários do Colégio Visconde de Porto Seguro terão 15% de desconto no valor dos cursos oferecidos pela parceria.

“Acreditamos que esta iniciativa é essencial na formação executiva de alto nível para os principais profissionais da região de Campinas. A expertise do Insper nessa área, reconhecida em todo o Brasil, aliada à tradição e competência no ensino do Colégio Visconde de Porto Seguro, permite o desenvolvimento de carreiras sólidas e diferenciadas para o mercado”, afirma Caio Thomas, Diretor Geral Executivo do Colégio Visconde de Porto Seguro.  

Sobre Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos 
O curso busca capacitar os profissionais para reconhecer o impacto de suas ações e comportamentos nos resultados e relacionamentos obtidos nas negociações e também para ampliar a base de acordos com pares, colegas de equipe, fornecedores e clientes. O programa é ideal para candidatos que atuam em cenários nos quais a competitividade e a obtenção de acordos surgem como fatores críticos de sucesso, bem como para aqueles que desejam desenvolver suas habilidades interpessoais e tomadas de decisão.

O programa é direcionado a profissionais que buscam aumentar seu poder de influência internamente em suas organizações ou externamente, em outras organizações e clientes, desenvolvendo competências que melhorem o processo de negociação, de tomada de decisão e de gestão de conflitos. Destina-se também para aqueles que trabalham nas áreas de marketing, vendas, manufatura, engenharia, fusões e aquisições, recursos humanos, estratégia e finanças. 

Serviço
Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos
Carga horária: 30 horas
Início: 8 de maio  Término: 3 de junho
Horário: Segundas e quartas-feiras, das 19h às 22h. Sábado (19/11), das 9h às 16h
Local: Colégio Visconde de Porto Seguro – Rodovia Visconde de Porto Seguro, 5.701 – Vale do Itamaracá – Valinhos-SP. Estacionamento gratuito (entrada pelo portão B).
*No dia 3 de junho, a aula de encerramento acontecerá no campus do Insper, localizado na Rua Quatá, 300 – Vila Olímpia – São Paulo-SP.











Edição n.º 1002


Página 04

Alcoolismo






Nem sempre é fácil perceber quando o consumo do álcool cruzou a linha de uso moderado e social para um uso nocivo ou dependência. Se uma pessoa passa a consumir álcool para lidar com as dificuldades ou para evitar sentir-se mal, este encontra-se em território de potencial perigo.
O alcoolismo ou abuso do álcool ocorrem devido a vários fatores interligados, incluindo a genética, a maneira com que o dependente foi criado, o seu meio social, e sua saúde mental.
Pessoas que têm uma história familiar de alcoolismo ou que se associam em estreita relação com pessoas que fazem o consumo pesado são mais propensos a desenvolver problemas com bebida. Finalmente, aqueles que sofrem de um problema de saúde mental, tais como ansiedade, depressão, doença bipolar ou também estão particularmente em risco, pois o álcool pode ser usado para automedicação.
A diferença entre uso frequente do álcool e alcoolismo é que os alcoólatras não têm mais capacidade de definir limites para seu consumo. Seu uso é autodestrutivo e perigoso para si e para outras pessoas.
O alcoolismo envolve todos os sintomas de abuso de álcool, mas também envolve outro forte elemento: a dependência física do álcool. Se a pessoa depender do álcool para “funcionar” ou se sente fisicamente obrigado a beber, ela se tornou um alcoólatra.
Crescente tolerância ao álcool pode ser o primeiro grande sinal de alerta de alcoolismo, além de outros indícios:
Beber muito mais do que antes para ficar tonto ou sentir-se relaxado;
Beber mais que as outras pessoas sem ficar bêbado;
Tolerância significa que, ao longo do tempo, o indivíduo precisa de mais e mais álcool para sentir os mesmos efeitos.
Outro sinal de alerta importante do alcoolismo é quando a pessoa percebe que precisa beber para aliviar os efeitos da ansiedade e da agitação. Beber para aliviar ou evitar os sintomas de abstinência é um sinal de alcoolismo e uma enorme bandeira vermelha. Quando se bebe muito, o corpo se acostuma com o álcool e apresenta sintomas de abstinência se for tirado.


 Continua...





















Edição n.º 1002

Página 05

Segurança no trânsito





A Prefeitura, por meio das secretarias de Transportes e Trânsito e de Educação, inicia nesta segunda-feira (27) o projeto Espaço Mirim de Trânsito. Desenvolvido numa minicidade construída no pavilhão de exposição do Parque Municipal Monsenhor Bruno Nardini, o projeto é destinado a alunos da rede municipal de educação infantil 1, até o 3º ano do ensino fundamental. O objetivo é o exercício da mobilidade e da cidadania e a discussão sobre as noções de segurança no trânsito como pedestre e ciclista.
O projeto terá início com estudantes do infantil 2 e do 1º ano da EMEB Professora Neize Quaglio Mathedi, do Bairro Jurema. Será desenvolvido até 31 de novembro, sempre às segundas, quartas e sextas-feiras, nos períodos da manhã e da tarde. “O circuito montado tem casinhas, ruas, placas de trânsito, semáforos. Tudo com material reciclado”, adiantou a coordenadora de Programa de Educação para o Trânsito, Márcia Helena Toyoda Crivellari.
Cada turma, com até 30 alunos, será dividida em dois grupos. Enquanto um assistirá vídeos educativos, o outro participa do espaço vivencial, aplicando os ensinamentos aprendidos, tais como normas de segurança, comportamento no trânsito, conhecimento das placas de sinalização, respeito às vagas de idosos e pessoas com deficiência. “São ensinamentos para a vida toda. É uma aula de cidadania”, resume. As aulas serão ministradas por dois agentes Civis de Trânsito.

Infraestrutura
O transporte para a locomoção dos estudantes até o Parque Municipal será fornecido gratuitamente pela Secretaria da Educação. Já no local das atividades será dado um lanche patrocinado pela ACIV (Associação Comercial e Industrial de Valinhos). O projeto Espaço Mirim já recebeu cerca de 4.000 alunos em suas edições anteriores.






Equipe ganha 12 de ouro na competição em Atibaia

A equipe de natação da Prefeitura de Valinhos conquistou 20 medalhas na disputa da primeira etapa da competição promovida pela Associação Regional de Natação, que foi disputada domingo (19), em Atibaia. Na distribuição, o grupo valinhense trouxe para a cidade 12 medalhas de ouro, quatro de prata e quatro de bronze.
Os destaques desta competição foram Lucas Pelegrini, o Torinha (de 10 anos), Ana Jullya Negrini (de 10 anos) e Bruna Regueira (de 9 anos). Os três nadadores competiram em três provas e somaram três de ouro cada. O grupo é coordenado por profissionais da Secretaria de Esportes e Lazer da Prefeitura de Valinhos.


Edição n.º 1002
Página 06

Scupenaro pede que escolas de Valinhos abordem questões envolvendo respeito aos idosos




O vereador Israel Scupenaro (PMDB) apresentou moção, na sessão desta terça-feira (21), sugerindo ao prefeito Orestes Previtale (PMDB) que inclua o tema “Respeito ao Idoso e seus Direitos” na rede municipal de ensino. O objetivo, segundo ele, é conscientizar as crianças de 8 a 10 anos sobre o processo natural de envelhecimento e sobre o respeito com os mais velhos.

Scupenaro alega na moção que hoje são comuns cenas de desrespeito com os idosos, causadas, muitas vezes, pelo que chamou de “inversão de valores da cidadania”. “A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar o idoso, garantindo-lhe o direito à vida, o acesso aos bens culturais, a participação e a integração na comunidade”, afirma.

Ainda na sessão, o vereador apresentou projeto de lei que prevê a afixação de cartazes com os dizeres: “Respeite o idoso e seus direitos”, em todas as repartições públicas e nos estabelecimentos que prestam serviços à Administração.

O projeto está em análise nas comissões permanentes da Câmara e ainda não tem data definida para ser votado.










Valinhos,
Meu torrão natal!
Valinhos,
Terra sem igual!
À sombra da Bandeira,
Tu te ergues altaneira,
Em busca de um ideal!

Terra do figo roxo,
Vales e montes mil;
Ergue-se um colosso,
Num gesto, a mão gentil!

Terra das belas artes,
Fontes e encantos mil;
Teu povo bandeirante
Inspira amor febril!

Qual Éden de Deus presente,
Pedacinho reluzente
Do meu imenso Brasil!

Letra: Juliane Lima dos Reis Santos.




Edição n.º 1002
Página 07


A necessária construção da paz

  




É preciso que pensemos sobre a necessidade da paz. E ainda que a paz envolva o conceito de pacifismo é preciso que compreendamos que temos que lutar para que haja paz no planeta, no mundo, na nossa vida, no ambiente em que vivemos e nos relacionamos. É preciso entender que a ideia de paz não é fruto do equilíbrio da força, mas do diálogo, da crença na diversidade, no pluralismo e na tolerância ao diferente. Com efeito, é preciso que entendamos que existem várias formas de pensar em relação a uma mesma ideia e respeitemos isso.
A construção da paz começa a partir de uma atitude pessoal que pode se refletir depois em diversos campos da vida, no meio ambiente, na sociedade, na saúde coletiva entre outros. Essa discussão se fortalece a partir da crescente visão da interdependência global e da responsabilidade universal pela construção de um novo mundo e coloca este tema como uma das principais ações educativas que promovem fontes efetivas de paz no mundo.
A juventude tem sido, hoje, o maior alvo dos problemas sociais, políticos e ambientais que vem se acumulando desde o desenvolvimento do capitalismo. O surgimento da violência, do crime e dos comportamentos destrutivos — situações nas quais os jovens são vítimas potenciais — mostra a grande tarefa que a juventude tem: a de transformar estes padrões que tem promovido tanta guerra no mundo. É preciso que todos se eduquem para cultivar a cultura da paz.
Parece útil lembrar que a “Cultura de Paz”, enquanto movimento, iniciou-se oficialmente pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) em 1999 e empenha-se em prevenir situações que possam ameaçar a paz e a segurança — como o desrespeito aos direitos humanos, discriminação e intolerância, exclusão social, pobreza extrema e degradação ambiental — utilizando como principais ferramentas a conscientização, a educação e a prevenção. De acordo com a UNESCO, a Cultura de Paz “está intrinsecamente relacionada à prevenção e à resolução não-violenta de conflitos” e fundamenta-se nos princípios de tolerância, solidariedade, respeito à vida, aos direitos individuais e ao pluralismo.
Os processos e padrões da segurança pública, da guerra e da paz estão no processo de mudança. Nos 10 últimos anos tem crescido o número de grupos terroristas organizados e isto tem sido uma das varáveis para outro tipo de guerra onde eles estão instalados. Hoje há mais de 14 guerras e conflitos armados em andamento.
A proposta da cultura de paz busca alternativas e soluções para estas questões que afligem a humanidade como um todo e, segundo David Adams, a cultura de paz se sustenta em oito pilares: educação para uma cultura de paz; tolerância e solidariedade; participação democrática; fluxo de informações; desarmamento; direitos humanos; desenvolvimento sustentável; igualdade de gêneros.
Em entrevista ao “El Pais”, o Papa Francisco reafirmou o seu compromisso com a cultura da vida e da paz, advertindo quanto ao perigo de se buscar um salvador em tempos de crise, “que nos devolva a identidade e nos defenda com muros”, fazendo talvez alusão ao que havia dito sobre Donald Trump, ainda por ocasião da sua campanha à presidência dos Estados Unidos. Parece que a humanidade está buscando um novo Messias!...
O papa insistiu em dizer que não é construindo muros que se garantem a segurança e a paz. Talvez seja esse um grande desafio do século 21: o da conscientização da sociedade no sentido de perceber que a cultura da vida e da paz se constrói com o diálogo, o respeito à diversidade, às diferenças, na escuta do outro, na humildade e, sobretudo, na solidariedade.
Também em nível global espera-se que os governantes cultivem a cultura da paz, para evitar o acirramento de conflitos, com as consequências já conhecidas, que fazem muitas vezes vítimas inocentes. Para isso é preciso uma educação para a paz, que deve ser incentivada nas escolas, pois só assim conseguiremos uma mentalidade mais aberta à conversa do que à agressão, em que as pessoas saibam se posicionar sem sectarismos, sem extremismos, mas com a capacidade de escutar, de enxergar o positivo no outro, valorizando o que há de melhor em cada ser humano. A paz, nesse sentido, é fruto da esperança, e também da justiça, e dos bons sentimentos daqueles que procuram viver respeitando uns aos outros.
A cultura da paz, portanto, deve começar a partir daqueles que convivem conosco, porque o primeiro desafio é com quem está próximo de nós, mais perto. É preciso que saibamos cultivar a mansidão, a moderação, a temperança, as virtudes que conduzem primeiramente à cultura da paz interior, para que possamos expressar atitudes de paz exterior. Por essas razões também são importantes a oração, a meditação, o silêncio para a reflexão, o que nos leva à tranquilidade necessária para que saibamos tomar decisões ponderadas, sem o calor das emoções, sem motivações e impulsos intempestivos.  Adequada interiorização espiritual também conduz ao cultivo da cultura da paz.
Fica a lição: para construir uma sociedade mais humana é fundamental que cada um comece por si mesmo e faça sua parte por meio de uma mudança de atitudes, valores e comportamentos que visem à construção de um mundo mais justo e melhor de se viver e para se viver.








Edição n.º 1002

Página 08

quinta-feira, 16 de março de 2017

Sob nova direção




Incansável na missão de divulgar a cultura brasileira para todas as classes sociais, Tom Santos esteve por 19 anos comandando NOTÍCIAS DE VALINHOS.
Durante todo esse tempo, Tom desenvolveu projetos envolvendo mulheres, adolescentes, menores infratores, músicos, entre outros, utilizando inclusive, representação teatral para discutir vários temas sociais.
Foram muitos “causos” contados, fotomontagens, reportagens e críticas, veiculadas no NOTÍCIAS. Tom sempre se orgulhou por ter mantido, durante estes 19 anos, os mesmos colaboradores, e a mesma “missão” e “objetivo” do seu tablóide.
Em 23 de julho de 2015, Tom Santos completou sua missão encarnado, e foi alegrar o plano superior com sua “energia de menino”.
Após refletir muito, resolvi assumir o jornal, mantendo os padrões originais. Infelizmente, alguns colaboradores não puderam continuar conosco, mas os novos integrantes da equipe NOTÍCIAS assumiram o compromisso de manter o padrão proposto por Tom Santos: Trocar a cultura do poder, pelo poder da cultura!

Hoje Tom estaria completando 79 anos.





Obrigada pelas broncas que me ajudaram a ser uma pessoa melhor... Obrigada por me mostrar que devemos lutar e acreditar em nossos sonhos, ainda que digam que é impossível!!!! Velho Pai, pra vc nossa admiração, carinho, amor e agradecimentos....

O céu está em festa e NOTÍCIAS DE VALINHOS está de volta!




























Edição  n.º 1001

Página 01

Novas colaboradores do NOTÍCIAS









Edição  n.º 1001

Página 02

Dependência química: Crack

O crack é uma mistura da pasta-base de cocaína refinada com bicarbonato de sódio e água. Muitas vezes a mistura é falsificada com o acréscimo de cimento, cal, querosene e acetona, para aumentar o seu volume. Quando aquecida, a mistura separa as substâncias líquidas das sólidas. As substâncias líquidas são então descartadas e as sólidas são convertidas na “pedra de crack” que, com a utilização de um cachimbo, é então fumada e absorvida pelo corpo em quase 100% do total ingerido. A via inalatória confere à droga um tempo de ação e um poder viciante extremamente rápido, o que tem tornado o crack um verdadeiro flagelo.
Vários fatores psicológicos e sociais podem levar a pessoa a experimentar a droga pela primeira vez. Entre eles: depressão, ansiedade, baixo nível intelectual, fenômeno social das gangues, desagregação familiar, forte atuação dos traficantes, etc. A dependência ao crack é a compulsão invencível de fumar a droga, que se estabelece já a partir da primeira experiência. A duração da intoxicação, de apenas dez minutos, leva à busca imediata por mais crack, fazendo com que o viciado tenha quase sempre que viver na rua.
Para o consumo inalatório da droga, são utilizados cachimbos elaborados pelos próprios usuários, geralmente de alumínio e compartilhados entre o grupo de uso. Também tem sido comum o consumo de cigarros ou de maconha com fragmentos de pedras de crack. A forma injetável do crack não teve sucesso e foi quase extinta no Brasil, substituído pelo crack que provoca efeito semelhante e tão potente quanto a cocaína injetada.

Efeitos em curto e longo prazo
Os efeitos do crack  são basicamente os mesmos da cocaína: sensação de poder, excitação, hiperatividade, insônia, intensa euforia e prazer. A falta de apetite comum nos usuários de cocaína é intensificada nos usuários de crack. Um dependente de crack pode perder entre 8 e 10 kg em um único mês.
Por ser inalado, os crack chega rapidamente ao cérebro, por isso seus efeitos são sentidos quase imediatamente – em 10 a 15 segundos – no entanto, tais efeitos duram em média 5 minutos, o que leva o usuário a usar o crack muitas vezes em curtos períodos de tempo, tornando-se dependente. Daí o grande poder de causar dependência do crack. Após tornar-se dependente, sem a droga o usuário entra em depressão e sente um grande cansaço, além de sentir a “fissura”, que é a compulsão para usar a droga, que no caso do crack é avassaladora. O uso contínuo de grandes quantidades de crack leva o usuário a tornar-se extremamente agressivo, chegando a ficar paranoico, daí a gíria “nóia”, como referência ao usuário de crack. Problemas mentais sérios, problemas respiratórios, derrames e infartos são as consequências mais comuns do uso do crack.

Sinais e Sintomas  
O usuário de crack apresenta mudanças evidentes de hábitos, comportamentos e aparência física. Um dos sintomas físicos mais comuns que ajudam a identificar o uso da droga é a redução drástica do apetite, que leva à perda de peso rápida e acentuada – em um mês de uso contínuo, o usuário pode emagrecer até 10 quilos. Fraqueza, desnutrição e aparência de cansaço físico também são sintomas relacionados à perda de apetite.
É comum ainda que o usuário tenha insônia enquanto está sob o efeito do crack, assim como sonolência nos períodos sem a droga. “Os períodos utilizando a droga prolongam-se e os usuários começam a ficar períodos maiores fora de casa, gastando, em média, três dias e noites inteiros destinados ao consumo do crack. Neste contexto, atividades como alimentação, higiene pessoal e sono são completamente abandonadas, comprometendo gravemente o estado físico do usuário”, afirma o psiquiatra Felix Kessler.
Sinais físicos como queimaduras e bolhas no rosto, lábios, dedos e mãos podem ser sinais do uso da droga, em função da alta temperatura que a queima da pedra requer.

Orientações em três passos
Passo 1 – Na consulta será definido o diagnóstico e condutas a serem tomadas.
Passo 2 – Em análise do caso será definido se o tratamento seguirá de modo clínico ou não. Havendo a necessidade de internação, é importante que a pessoa (juntamente com sua família) conheça os procedimentos de intervenção que serão tomados, trazendo dessa maneira a responsabilidade de tomada de decisões em sua vida.
Passo 3 – Acompanhamento direto da família no desenvolvimento do tratamento.


Ressalto que a dependência química é uma doença crônica, incurável e fatal. O controle é possível por meio de tratamento que objetiva reestruturar a vida do dependente.



































Edição  n.º 1001

Página 03